A origem da água

A água é essencial para todos os seres vivos na terra. A sua preservação é responsável pela vida das plantas, dos animais e das pessoas. Nas aulas de Ciências e nos livros da escola você já deve ter lido que 70% do planeta Terra é feito de água.

Existem muitas teorias sobre como os oceanos se formaram ao longo dos últimos 4,6 bilhões de anos. Uma delas é a de que gases terrestres se condensaram e começaram a cair em forma de chuvas intensas, que deram origem a grandes oceanos na superfície do planeta.

Mas essa é uma explicação não indígena sobre o surgimento da água. Você sabia que os povos indígenas também têm suas próprias explicações para o surgimento das águas no mundo?

Conheça uma narrativa mítica do povo Kuikuro, que vive no Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso, sobre a formação dos oceanos, rios e igarapés.

Antigamente não existia água no mundo. Havia somente um homem, chamado Sagakagagu, que tinha seis cabaças de água.

O deus Taũgi foi procurar esse homem, pois diziam que ele vivia muito melhor do que todos os outros seres. Taũgi foi procurar o dono da água, até que chegou na aldeia onde Sagakagagu morava. O dono da água falou:

- Taũgi, você chegou?
- Eu cheguei.
- O que você quer comigo?
- Eu venho atrás do senhor para lhe pedir pelo menos uma cabacinha de água.
- Senhor Taũgi, eu tenho água aqui, mas não é boa para tomar banho. Eu tenho água salgada e água doce.

kuikuro

O dono da água, Sagakagagu, não queria mostrar a água para Taũgi. Taũgi já havia percebido que ele não queria lhe dar a água.

No dia seguinte o deus Taũgi quebrou rodas as cabaças de água que estavam penduradas na casa do dono da água. Então apareceu o mar que tem água salgada, os igarapés, os lagos, os rios e as lagoas. A água se espalhou pelo Brasil e pelo mundo inteiro.

Foi assim a origem da água no Brasil. Quem trouxe a água para nós foi o deus Taũgi.

versão de Sepé Kuikuro

Fonte: Livro das Águas - Índios no Xingu (2002)

Na concepção do povo Panará, que vive no Sudeste do Pará, a água veio de uma tartaruga. Conheça abaixo a essa narrativa compartilhada entre as crianças, jovens e velhos do povo Panará.

A água surgiu pela tartaruga há muitos anos atrás. Os antigos tomavam água do cipó, cortavam todos os dias sem parar, eles bebiam com a família. Os homens e as mulheres enchiam a cuia grande com a água do cipó no mato e traziam para casa. Os antigos foram caçar longe, na volta encontraram a tartaruga no mato, ela estava no barranco alto.

Eles perguntaram para a tartaruga:
- Você sabe fazer água?

A tartaruga respondeu:
- Eu sei fazer água.

Aí ela começou a cavar o chão, porque a tartaruga tinha casco duro e afiado. A tartaruga enorme falava na língua dos antigos, na mesma língua. Ela foi cavando um buraco até encontrar água.

A tartaruga foi cavando e aumentando a água, bem rápido. Eles voltaram do mato para casa e chegaram. Eles contaram para as pessoas que a tartaruga fez surgir a água e eles acreditaram. Logo pararam de beber a água do cipó. Eles ficaram contentes porque a tartaruga fez os rios. A tartaruga é que origem à água.

versão de Peranko Panará

Fonte: Livro das Águas - Índios no Xingu (2002)

Leia também: Inspiração das águas

Recadinhos

luciana monteiro qui, 02/08/2018 - 16:41

achei muito interessante

achei muito interessante

Bruna Medeiros seg, 14/03/2016 - 19:56

Olá, muito me interesso pela

Olá, muito me interesso pela abordagem indígena para a explicação do surgimento dos elementos da natureza e a forma como se relacionam com o meio ambiente, se integrando e se percebendo como um todo. Trabalho com educação e gostaria muito de ter acesso ao livro das águas do xingu, donde foram retiradas essas histórias. Onde eu posso encontrá-lo? Já fiz uma busca, mas não encontro nenhum local para comprar ou baixar.
Muito grata,
Bruna.

fellipe gabriel qua, 27/05/2015 - 17:18

esse site e muito legal!!!!!

esse site e muito legal!!!!!

carlos caique sex, 17/04/2015 - 17:11

passa uma mais dificio

passa uma mais dificio

marocs ter, 14/04/2015 - 17:41

muuuito legall

muuuito legall

Josearmando6869 sex, 13/03/2015 - 11:34

muinto bom mesmo

muinto bom mesmo

Josearmando6869 sex, 13/03/2015 - 11:33

muito bom

muito bom

Rosângela Corrêa qua, 07/01/2015 - 09:59

O termo "branco" nunca

O termo "branco" nunca poderia ser sinônimo de "não indígena" porque isso seria um reducionismo, uma vez que a espécie humana é mestiça, não existe pureza racial, mesmo quando as pessoas tenham uma determinada cor devido a melanina. Além disso, existem outras concepções sobre a água dentro das religiões afro-brasileiras como o significado de Oxum que é a divindade feminina das águas dos rios e das cachoeiras. O símbolo de Oxum é um leque-espelho, com o qual demonstra sua imensa vaidade. Suas cores são o azul-claro, o branco e o amarelo-ouro. Oxum está associada ao amor, à fertilidade e à riqueza. Essa concepção seria excluída por ser de origem africana? Acho que reconhecer a diversidade cultural parte por apresentarmos diferentes formas de ver o mundo.
Fico feliz que vocês tenham reconsiderado e tenham feito a substituição por não-indígena.
Agradeço-lhes a atenção.

Rosângela Azevedo Corrêa sex, 28/11/2014 - 13:45

No texto existe a seguinte

No texto existe a seguinte afirmativa: Essa é uma explicação dos brancos sobre o surgimento da água, como assim?
Até quando vamos continuar com um discurso equivocado sobre a composição racial dos brasileiros? Quem é branco no Brasil? Quem tem cor branca, quer dizer que não tem pai ou mãe negra? Quem é branco é puro branco? Quem é negro é puro negro?
O BRASIL É UM PAÍS PLURIÉTNICO, MULTICULTURAL E MESTIÇO.
A explicação sobre o surgimento da água apresentada não é de branco, é uma explicação científica, por favor, vamos ser mais pedagógicos na apresentação dos fatos.
Fico à disposição para ajudá-los a melhorar os textos do site.

Equipe PIB Mirim seg, 01/12/2014 - 13:56

Olá Rosângela, O termo

Olá Rosângela,
O termo "branco" foi utilizado aqui como um sinônimo de "não indígena"; este termo - e muitos outros, como "homem branco", além de termos nativos - é frequentemente usado nos discursos indígenas para identificar de forma geral aqueles que não são indígenas. As explicações elaboradas pela Ciência, assim, também são coisas de "branco". A comparação entre essas duas diferentes explicações sobre o surgimento da água tem como intenção justamente desestabilizar a universalidade das explicações científicas - social e historicamente determinadas -, em favor da valorização de uma explicação indígena. Ao colocar essas explicações no mesmo patamar e dar atenção à complexidade dos sistemas indígenas de conhecimento, nossa Equipe deseja sensibilizar o público infantil para a multiculturalidade e não o contrário. Infelizmente, não previmos a ambiguidade que seu comentário revela; dado o mal-entendido, faremos a substituição por "não indígena". Agradecemos sua contribuição.
Grande abraço,

Maria Rodrigues Pereira sex, 07/11/2014 - 11:56

Muito legal. Me senti criança

Muito legal. Me senti criança novamente, ouvindo aquelas historinhas dos mais velhos. Show d+.

pedrol seg, 01/09/2014 - 14:35

e muito massa irado essa

e muito massa irado essa experiencia de aprende os povos indígena e as aldeias idiginasz

pedrol seg, 01/09/2014 - 14:34

e muito legal essa

e muito legal essa experiencia e divertida

manuela garrido klingelfus pinheiro ter, 17/06/2014 - 20:13

que a história da água é

que a história da água é interessante e diferente para cada povo.

Beatriz Myrrha sex, 13/06/2014 - 10:31

Adorei. Sou contadora de

Adorei. Sou contadora de histórias e escritora. Acabei de lançar um livro também sobre a origem da chuva, cuja versão é do povo Dessana. Parabéns!!!!

carmel farias puri dom, 08/06/2014 - 19:54

Magnifica essas narrativas

Magnifica essas narrativas são muito importantes para nós parentes, sou da ETNIA PURI do Rio de Janeiro - Bom Jesus de Itabapuana.

Schuteh Poteh! boa luz!